BIOGRAFIA

Performer, cantora, compositora, antropóloga, etnógrafa, são alguns dos rótulos que utilizo. Minha formação acadêmica pode ser encontrada na conjuntura entre Humanidades e Ciências Sociais, cruzando antropologia social, artes cênicas, estudos de mídia, e estética. Em termos gerais, meus interesses de pesquisa incluem temas como democracia, extremismo político, mudanças climáticas, movimentos sociais camponeses e indígenas, ativismo digital, etnomídia, antropologia visual, descolonização, migração e identidade. Eu obtive meu mestrado em Antropologia Social pela Universidade de Estocolmo, Suécia, com base em minha dissertação intitulada “Democracia, um herói trágico carnavalesco: as narrativas de um movimento social transnacional contra o golpe no Brasil”. 

A dissertação oferece um panorama da emergência de formas de resistência entre brasileira(o)s em diáspora contra a virada autoritária no Brasil desde o impeachment da presidente Dilma Rousseff em 2016. A partir de métodos etnográficos, eu investiguei como uma mobilização transnacional permitiu a construção de uma nova identidade coletiva de migrantes brasileira(o)s através da intersecção de múltiplas lutas - incluindo a luta pela democracia, direitos humanos e meio ambiente. Em particular, a dissertação analisou as redes organizacionais online, ideologias e narrativas da FIBRA, Frente Internacional Brasileira Contra o Golpe e Pela Democracia. De maneira geral, eu investiguei os conflitos em torno do escopo e limites do regime democrático, inserindo o Brasil em um contexto mais amplo em torno das tendências globais associadas a uma nova onda de populismo de direita. Também abordei maneiras de trazer minhas práticas artísticas durante o trabalho de campo para o texto antropológico, e utilizei elementos do Teatro Épico, da Tragédia Grega e do Carnaval como ferramentas conceituais para entender a democracia como um herói carnavalesco trágico.

Antes de embarcar na Antropologia Social, iniciei um mestrado em Estética da Arte na Universidade de Estocolmo. Eu frequentei cursos de estética, teoria e metodologia da performance, cultura e comunicação, fenomenologia, psicanálise, dramaturgia, teatro e ativismo, e estudos queer e de gênero. Essa experiência académica levou-me a criar o projeto “Activismo Sonoro” para investigar a relação entre música / som e espaços de “alteridade”, com especial enfoque na estética e ontologia política do “outro”, nomeadamente os silenciados e marginalizados em suas lutas por emancipação social. Posteriormente, lancei o álbum IDentidades com canções próprias sobre temas como xenofobia, racismo, sexismo e violência urbana.

Eu sou bacharel em Artes Cênicas, com especialização em Direção Teatral, pela Universidade Federal de Ouro Preto, Brasil. Lá, eu desenvolvi a monografia “A Palavra Cênica: Integrando voz e movimento na formação do ator” e dirigi a 

Photo by Bo Forslind Production: Make Up Institute Stockholm Makeup Judit Szekeres

peça de teatro “Guantánamo: história de homens e bichos”. A peça foi baseada em material documental sobre violações de direitos humanos na prisão militar dos Estados Unidos localizada na Base Naval da Baía de Guantánamo, em Cuba. A peça investigou o contraste entre a cobretura da mídia sobre o terrorismo e sua significação da islamofobia, por um lado; e o uso de tortura durante medidas de combate ao terrorismo, por outro. Na Universidade Federal de Ouro Preto, eu fui bolsista do Programa de Pesquisa CNPQ e desenvolvi o projeto “Adaptação de Textos Clássicos na Cena Contemporânea: Uma Abordagem Ético-Estética” e co-dirigi a peça “O Amor de Fedra” de Sarah Kane.

Como pesquisadora voltada para a sociedade, eu contribuo regularmente com organizações da sociedade civil e participo de projetos ativistas e artísticos, especialmente com foco em direitos humanos, democracia e proteção ambiental. Dessa forma, eu tento combinar o acadêmico, o político e o artístico. Minha missão hoje é usar o poder do conhecimento e do pensamento criativo para contribuir para a preservação dos meios de vida indígenas e camponeses e aplicar seus conhecimentos para avançar em direção ao que esperamos ser a criação de uma sociedade mais justa e sustentável.

MÚSICA

"Primeiro Bartira Fortes nos atravessa com seu nome de índia. Logo, sua voz nos separa de nós mesmos. Depois, seu ritmo volta a nos por inteiros. Sua música meio antropofágica, meio urbana, bate janelas e portas no campo fechado dos sons administrados onde morre nossa audição. Não é sem violência que a ouvimos. Não é para docilizar nossa escuta que ela canta. No estado da linguagem viva que é a arte, os sons de Bartira Fortes são um modo de buscar o mundo. O caminho apontado por sua música carregada de revoltas contra marcas exteriores, contra o que se diz por dizer, contra ismos, contra regras, pré-noções, medidas é um caminho cheio de abismos. É preciso prestar atenção nas letras, nos ritmos, nas melodias de Bartira, para apreciar a escuridão, para suportar a vertigem. Um Brasil nada endógeno, um Brasil além dele mesmo, está ali, em cada timbre, em cada batida, em cada melodia, na forma de um limiar. Sem agradar, sem entreter, a música de Bartira é maior, ela vem nos alegrar, como uma potência, a promessa de que podemos ouvir mais." - Márcia Tiburi, filósofa

Ouça IDentidades no Spotify
Bartira Fortes vocal
Allan Christie piano, synth, rhodes, guitarra, acordeão
Kristian Brink sax, flauta
Rubem Farias baixo
Robert Ikiz bateria, percussão
Gravadora Galeão
 

VIDEOS

 
 

FOTOS

Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockholm 2019
Brazilian Day Stockholm 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
Brazilian Day Stockhom 2019
Brazilian Day Stockhom 2019

Foto Ida Åkesson Brazilian Day em Estocolmo 2019

press to zoom
1/19

PUBLICAÇÕES

Manifestation at the Second Internationa

18 Fev 2021

Artigo por Bartira Fortes publicado no Antroperspektiv, blog pertencente à Associação Antropológica Sueca (SANT).

Street Art of Marielle Franco by Rodrigo
Antropologia, Ativismo, Arte e a Democracia no Brasil

29 Jan 2021

Artigo por Bartira Fortes publicado na Revista Caliban de Literatura e Artes

131182448_854333315341806_76293909053763
Democracia, uma Heroína Trágina Carnavalesca

29 Set 2020. Dissertação de Mestrado, Departamento de Antropologia Social, Universidade de Estocolmo, Orientadora: Eva-Maria Hardtmann, Examinadora: Helena Wulff

 

MG_cestas_Dowglas_Silva.jpeg
Direito à Comida no Brasil

5 Nov 2019

Artigo por Bartira Fortes publicado no blog da FIAN Suécia

gabriel.jpeg
Entrevista com Gabriel Martins: da música ao mergulho na natureza

26 Out 2017

Entrevista com Gabriel Martins por Bartira Fortes publicada na Revista Caliban de Literatura e Artes

1_ZSuj2UEkC7DwpRpC3kNjwA.jpeg
A Arte Oculta de Hilma af Klint e sua Pintura para o Futuro

19 Ago 2017

Artigo por Bartira Fortes publicado na Revista Caliban de Literatura e Artes

slam resistencia 2.jpg
O ativismo poético do Slam Resistência

15 Dez 2016

Artigo por Bartira Fortes publicado na Revista Caliban de Literatura e Artes

picasso3 S_Chorando_jpg.jpg
Outrofobia: A (in)tolerante intolerância do ser

14 Nov 2016

Artigo por Bartira Fortes publicada na Revista Caliban de Literatura e Artes

johnny hooker.jpg
Johnny Hooker não é homem nem mulher. É uma entidade!

2 Set 2016

Entrevista com Johnny Hooker por Bartira Fortes publicada na Revista Caliban de Literatura e Artes

caliban artigo masculinidades.png
Reflexões sobre a masculinidade contemporânea

24 Jun 2016

Artigo por Bartira Fortes publicada na Revista Caliban de Literatura e Artes

 
 

PRESS

Bartira-Fortes-Web.png
Música ativista: Bartira Fortes, artista brasileira e seu grito
BartiraFortes_CapaDigital_2.jpg
Bartira Fortes lança IDentidades: a dimensão transformadora em 11 canções
DSC_5879.jpg
Bartira Fortes é uma das atrações que sobem ao palco durante a Semana Arte Mulher 
19198280_10154449840586035_320758581_n.j
Bartira Fortes: IDentidades ou da música como activismo
casa da opera marcelo rodrigues 1.jpg
Ouro Preto recebe Show de Lançamento do CD IDentidades de Bartira Fortes
favorira 1.1.jpg
Bartira Fortes retorna a Ouro Preto para lançar seu CD IDentidades produzido na Suécia
casa da opera marcelo rodrigues 2.jpg
Entrevista TV UFOP
149120282_756529574994649_11220207053659
Entrevista Music es un Voyage
r7 entrevista.jpg
Com letras contra o machismo e a intolerância, cantora brasileira se apresenta em festival de jazz na Suécia
mitt_i_matéria.jpg
Bartira celebra a diversidade e agita a panela do jazz
CLIQUE AQUI
prêmio_UGTv_2015_de_arte,_música_e_compr
Entrevista para o programa de TV Sonidos en Encuentro

CONTATO

contact@bartirafortes.com

+46734812849 (Suécia)

Success! Message received.

Join our mailing list

Never miss an update